domingo, 14 de março de 2010

Niver da vovó

Vovó Jura se estivesse conosco teria completado ontem 94 anos. Vovó tornou-se uma pessoa difícil quando ficou mais velha, era brava e mandona. Quando eu era criança e ela tinha menos de sessenta anos, a memória que trago é das melhores: me contava histórias, brincava, gostávamos de cantar juntas, fazíamos duas vozes.
Eu estava sempre perto dela quando preparava os tecidos para as colchas de retalho, ficava tão encantada com as cores e florzinhas e bolinhas e listras, enfim, era tão lindo e a organização dos cortes, tiras bem medidas de vários tamanhos que ela ia costurando e formando quadros que depois iam virando outras tiras e no final tornavam-se colchas para os netos e filhos. Isso pra não contar dos vestidinhos e batas de algodão que ela costurava pra nós, com sianinhas, tiras bordadas e fitas.
Ai, ai, sempre que lembro dela me emociono. E pra homenageá-la no seu dia, trouxe uma receita de doce, um doce de coco que ela fazia. Anote aí:

CARÍCIAS DA JURACY

1 lata de leite condensado
a mesma medida de leite
1 pacote de coco ralado de 200g

É muito fácil de fazer, igual a brigadeiro.

Misture os ingredientes em uma panela, leve
ao fogo brando e vá mexendo até desgrudar
do fundo. Quando isto acontecer está pronto.
Despeje em um refratário e coloque para gelar.
Pra comer de colher e
virar os olhinhos.

3 comentários:

  1. Junelise.

    Sou um Professor, Biólogo e Químico, que visita algumas páginas, buscando divulgar o Verde Vida, dedicado à causa ambiental/humana. Postamos imagens ricas e textos simples,objetivando principalmente a educação ambiental. Visite e opine, se puder.

    Felicidades em sua jornada!

    ResponderExcluir
  2. Que linda sua história com a vovó, as vezes não entendemos porque os mais velhos ficam mais difíceis com o passar do tempo, mas é que a paciência vai ficando "zero", mas que bom que você soube aproveitar seus momentos.
    HUmmm...esse docinho deve ser delicioso!Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Vovó Cristina,

    Dona Jura era autoritária, mas entendia, era filha de coronel da polícia militar e naquela época as coisas eram bem diferentes.
    Amei muito a minha avó e ainda a amo.
    Bjus e obrigada pela visita!

    ResponderExcluir

Coloque seu tempero aqui: