quarta-feira, 24 de agosto de 2011

OFICINA DE CRIAÇÃO LITERÁRIA parte II


A oficina foi mesmo uma delícia! Textos, imagens, sons, cheiros, tatos, palavras, palavras, palavras...
Das leituras que fizemos compartilho hoje a receita saída da carta culinária do livro: Papel manteiga para embrulhar segredos, de Cristiane Lisboa. As receitas desse pequeno notável livro que me acompanha há cinco primaveras, são de Tatiana Damberg que escreve em um site lindinho chamado mixirica. O recheio especial do livro são as cartas culinárias de Antônia, que saiu fugida de casa para um lugar distante e vai aprender a cozinhar com uma chef, Senhorita Virgínia. De lá, ela escreve cartas salgadas e doces pra lá de delicadas e mágicas em papel manteiga a sua bisavó Ana.

FRANGO PIRATA (COM RUM E NOZES)

2 peitos de frango desossados
1/2 xícara de nozes picadas
1 colher de farinha de trigo bem cheia
meio copo de rum
um punhadinho de tomilho
1 colher de queijo ralado bem cheia
2 dentes de alho esmigalhados
raspas de limão
sal e pimenta

Corte o frango, misture o alho, o rum, o tomilho e as raspas de limão e coloque em um recipiente com tampa, ou em um saco plástico. Deixe marinar por duas horas. Em uma tigela, misture a farinha com as nozes e o queijo ralado. Passe o frango na mistura e asse em forno quente por 25 minutos, ou até ficar assado, porém macio. Dá tempo de colher flores no jardim para enfeitar a mesa.

Lembrança da Virgínia
Não esqueça de tomar um copo inteiro de rum enquanto cozinha. Pode dançar se quiser.

Então, aproveite a praticidade da receita, capriche na mesa e deixe o perfume e o sabor invadirem a casa! Vai bem acompanhando uma salada de folhas verdes e tomatinhos cereja. Bom apetite!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

OFICINA DE CRIAÇÃO LITERÁRIA

A programação de lançamento do primeiro Festival de Inverno de Pelotas, já está quase no final. São exposições, saraus, shows, apresentações teatrais e oficinas. Toda a programação com preços populares e em vários locais da cidade.
Então, a oficina que propus, de Criação Literária já está acontecendo e compartilho um pouquinho da literatura lida durante a tarde de hoje. Amanhã tem mais!
Do livro: Memórias Inventadas de Manoel de Barros, poeta que encanta.

IX - O apanhador de desperdícios

Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras fatigadas de informar.
Dou mais respeito às que vivem de barriga no chão
Tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas.
Dou respeito às coisas desimportantes
E aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim esse atraso de nascença.
Eu fui aparelhado pra gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato de canto.
Porque eu não sou da informática
Eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios



Oficina de Criação Literária – Escrever com prazer: estimulando nossos sentidos.
Dias 09 e 10 de agosto, de 14:00 as 17:00, no Instituto Leda Bacci – Felix da Cunha, 857 – Pelotas.
Mais informações no blog: festivaldeinvernodepelotas.blogspot.com