quinta-feira, 30 de abril de 2009

Um mês no ar!!

Casa de gente mineira tem esse jeitinho acolhedor, que gosta de visitas e uma boa prosa. Aqui as visitas são sempre bem vindas! Comentem sempre que quiserem: Basta clicar sobre a palavra comentários e deixar seu temperinho por ali, colocar seu nome, blog ou site e vale deixar como anônimo mesmo, pra quem é mais acanhado.:)

Estou achando esta experiência de manter o blog muito, muito boa. Parabéns pra mim pelos 30 dias! E agradeço desde já os temperos colocados nesta panela de literaturas, receitas e outras artes.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Falando um pouco sobre artes plasticas




Pois é pessoal, sendo este espaço destinado a outras artes, gostaria de apresentar um amigo que faz um trabalho superbacana com madeiras de demolição: Arthur Rinelli. Arthur é carioca e morou nos últimos anos em Araxá aqui em Minas. Está agora em Belo Horizonte e produz adornos e móveis em madeiras diversas. Tem um trabalho impecável em matéria de acabamento e é bastante criativo. Taí algumas imagens pra vocês conferirem. Ah, ele também tem um blog: arthurrinelli.blogspot.com.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

O aromático molho pesto


A minha primeira e bem sucedida tentativa de preparar o molho pesto teve duas inspirações poéticas: um pequeno livro e pés de manjericão.
Estava eu em Ouro Branco, no festival de inverno, ministrando a oficina de memória culinária. Foram cinco dias de muitas receitas e literaturas. A turma foi pequena mas extremamente envolvida na elaboração de gostosuras poéticas e gastronômicas.
O local de nossos encontros ficava numa praça de eventos da cidade. E a maravilha maior: toda a praça era rodeada por pés de manjericão e ventava bastante, daí que os ventos cheiravam a manjericão, pode coisa mais gostosa? O pequeno livro é: Cartas culinárias - papel manteiga para embrulhar segredos, de Cristiane Lisboa. Um pequeno notável que a gente lê(devora) rapidamente não fosse a vontade que dá em ir pra cozinha e preparar as cartas/receitas culinárias.


Na chamada Riviera dei Fiori, no noroeste da Itália, são cultivadas várias espécies de flores e ervas aromáticas, é dessas encostas pedregosas da Ligúria, a tradicional receita de Pesto, o molho pesto genovês. Preparada com Il basilico genovese, o manjericão, a grande erva do rei. Ei-la:

Pesto Alla Genovese

Ingredientes:

500 gramas de massa - 4 xícaras de folha de manjericão fresco - 1 xícara de queijo Pecorino ralado - ½ xícara de Pinoli (pinhões italianos), pode ser também com nozes - 2 batatas cortadas em cubos - 4 dentes de alho - 2 xícaras de azeite extra-virgem - sal grosso a gosto - 500 gramas de vagem fresca cortada em pedaços de cerca de 2 cm - pimenta do reino a gosto.

Modo de Preparo:

Na Ligúria, a preparação do molho Pesto, embora aparentemente simples, é considerada um ritual. É necessário um morteiro de mármore, de nome mortaio e um socador de madeira. Colocam-se as folhas com o sal, para manter sua coloração verde e vai-se socando, adicionando os pinhões e uma parte do queijo, juntamente com o azeite, gradativamente até tornar-se um molho verde-escuro, denso e perfumado. Faltando estes utensílios, e por falta de tempo, poderá ser feito no liquidificador, o que prejudica levemente o sabor.
Cozinhar a massa al dente junto com as batatas e a vagem. Escorrer, deixando um pouco de água do cozimento. Juntar com o molho, condimentar com o restante do queijo Pecorino e temperar com pimenta do reino a gosto.



Uma curiosidade deliciosa: Na Ligúria existe um campeonato de Pesto, que acontece em um palácio construído no século XIII. A primeira eliminatória para o próximo Al Mortaio que acontecerá em 2010 foi realizada no mês passado, em Marselha, na França.
Podem participar pessoas de todo o mundo, sendo 50% da Ligúria, 35% do resto da Itália e 15% de outros países. Vale conferir o site com fotos do campeonato de 2008: www.pestochampionship.it.

terça-feira, 21 de abril de 2009

manjericão ou alfavaca?

Os dois. São a mesma erva. Tinha ficado incomodada com a afirmativa de uma amiga que aquele pé maravilhoso de manjericão no jardim da casa juntinho do alecrim, da salsinha e da lavanda, não era manjericão e sim, alfavaca.
Pensei: meu deus, quando fiz meu primeiro molho pesto, lá em Ouro Branco na praça de eventos que é rodeada por pés idênticos a este que estou vendo aqui, era de alfavaca? Olhava para aquele vaso de vidro que ela ajeitou cuidadosamente deixando enfeitar a mesa e perfumar o ambiente com as folhas iguaizinhas do manjericão e pensava: alfavaca? Quando cheguei em casa fui consultar, peguei meu livro: Memória Culinária: Coisa de Vó, que tem sua parte em curiosidades sobre ervas e encontrei:
Manjericão
Denominada erva dos reis na Grécia Antiga. Suas flores são pequeninas e lilases e as folhas ovaladas. Tem sabor suave e picante. Seu nome científico é Ocimum basilicum e também conhecido como alfavaca ou alfavaca cheirosa. :) Em francês chama-se basilic, em espanhol, albahaca e em italiano, basilico. É o principal componente do molho pesto... Seu chá também é utilizado em casos de problemas digestivos e é uma planta de fácil cultivo em vasos e jardins.
A memória prega umas na gente, não é mesmo? Pesquisei sobre algumas ervas quando estava preparando o livro, em 2005, fiz minhas anotações, escrevi sobre, editei e esqueci.
Taí mais um registro pra não esquecer e apreciar ainda mais o uso desta erva aromática, que possui propriedades analgésica, anti-séptica, calmante e diurética!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Uma receita que adoro fazer: antepasto de berinjela



Depois da festinha de criança, corremos pra Lagoa Santa, descansar e nos reunir com amigos. Já nos esperavam pro jantar... Rocambole de peito de frango recheado com ricota e perfumado com alecrim do jardim da casa. Muito gostoso!
No dia seguinte, me propus a preparar uma receita que gosto de fazer em casa e é aperitivo constante por aqui acompanhado de pão sírio e uma cervejinha gelada: antepasto de berinjela.
Estas maravilhosas leguminosas vão ser picadinhas e irão se misturar deliciosamente.
Olhem só para elas, reparem nesta cebola roxa. Essas pétalas dão um show! Talvez soe estranho falar em pétalas de cebola, mas, depois de assitir o filme O Carteiro e o Poeta e ouvir as poesias de Pablo Neruda recitadas por aquele ator que não vou me recordar o nome agora, a cebola pra mim tem essa magia de pétalas se descascando, fazendo a gente chorar... E a trilha sonora do filme é belíssima!
Bem, vamos à receita:

Ingredientes

Uma berinjela grande ou duas médias
Uma cebola grande que pode ser roxa ou não
Um pimentão vermelho médio
Alguns dentes de alho
Azeitonas verdes e pretas
Uva passas a gosto
Azeite
Sal
Uma pitada de açúcar

Modo de preparo

Pique todos os legumes em cubinhos
e deixe a berinjela de molho em
água com um pouco de sal.
Troque a água mais uma vez.
Em uma panela, doure as cebolas em
uma colher de sopa de azeite.
Coloque o alho, um pouco de sal até que
fiquem quase transparentes. Coloque a
berinjela sem a água e siga mexendo em
fogo baixo. Tampe a panela e deixe cozinhar
por alguns minutinhos, 2 ou 3.
Acrescente o pimentão e mexa. Torne a
abafar com a tampa da panela. Coloque as
azeitonas picadas e a uva passa.
Prove para saber se o tempero está de seu
agrado e acrescente aquela pitadinha de açúcar.
Minha avó Juracy me ensinou a colocar uma
pitada de açúcar em todo prato salgado e
vice versa, faz realçar o sabor.
Deixe esfriar e coloque em vasilha de vidro
ou porcelana e regue com um bom azeite.
Sirva acompanhado de pães. Pode servir de
acompanhamento também de saladas verdes
e o que mais você quiser.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Festinha de criança

Antes do parabéns

coxinha de frango e catupiry
empadinha de palmito
mini hamburguer
batata frita
pão de queijo
mini cachorro quente
pastelzinho de provolone
camarão empanado
pastel de funghi
risoli de creme de milho
bolinho de bacalhau
rolinho primavera
Entremeados por jogo de boliche
e descida em tirolesa.

O almoço
salada verde
frango ao curry
filet ao molho madeira
massa com molho ao sugo

Depois do parabéns

brigadeiro
quindim
bombom de uva
bombom de morango
bombom de abacaxi
casadinho de brigadeiro
mousse de limão
mousse de chocolate
Bolo de chocolate com
recheio de brigadeiro branco

Na saída, café expresso com
casadinhos
moedinhas de chocolate com menta
damasco banhado em chocolate
rosquinhas de canela
sequilhos
Ainda, mini sacolas de feira
recheadas de guloseimas e garrafas
de coca-cola personalizadas.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Um pouquinho de poesia...

Texto da Maria Esther Maciel, O livro de Zenóbia.

O vigor oculto de uma fruta delicada se dá a ver no suco de jabuticaba. Uma vez na boca, parece que nos rapta a alma. Mas nada como um refresco de melão com melissa para acalmar as lágrimas. E para incitar a lascívia, um néctar de pêssego com um toque de gengibre em lascas. Aliás, dos afrodisíacos, nada tão incisivo quanto da flor do absinto. Para se tomar em doses mínimas, nas noites de quinta ou nas tardes de domingo. Ainda sugiro, no caso de alergias, um suco de maçã com camomila, duas ou três vezes ao dia. E uma última dica: ao tomar uma xícara de café com cardamomo, deixe que sua boca delire.

Ervas nos sucos, delírio puro e cura na certa, para o corpo e para a alma.

domingo, 12 de abril de 2009

A receita do bolo de cenoura da Tia Alda

Ingredientes:

3 ovos
½ quilo de cenouras picadas
2 xícaras de farinha de trigo
1 xícara e meia de açúcar
1 xícara de óleo
1 colher de sopa de fermento em pó
1 pitada de sal

Coloque no liquidificador os ovos, o açúcar e o óleo e bata por 1 minuto. Vá colocando os pedaços da cenoura e continue a bater até acabarem as cenouras. Despeje esta mistura na vasilha da batedeira com a farinha de trigo e o fermento em pó. Bata por mais dois minutos na potência média e coloque em forma untada e enfarinhada. O forno deve estar aquecido em 180 graus.
Para a cobertura vamos precisar de:
150 gramas de chocolate meio amargo
½ lata de creme de leite
Para derreter o chocolate, coloque no microondas em potência média por dois minutos e quando tirar do microondas, misture bem e deite a vasilha em outra vasilha maior com água gelada para dar o choque térmico necessário ao chocolate. Misture o creme de leite e vá mexendo até ficar bem brilhante.
Tire o bolo do forno e passe a cobertura por cima. Corte em quadradinhos e sirva assim que esfriar. Isso se deixarem...

Bolo de cenoura com cobertura de chocolate.






Aqui no recanto, tradicionalmente temos o nosso café das cinco. É aquela hora de dar uma parada nas pinturas e fazer um lanchinho. Vez ou outra preparo um bolo. A-do-ro fazer bolos. Este que fiz na quinta-feira foi pra iniciar nosso fim de semana santo, com direito a pecados da gula em torno dos chocolates.

terça-feira, 7 de abril de 2009

Andanças pelo Mercado Central

No domingo que passou precisei atender uma cliente e levar algumas peças na loja dela que fica no Mercado Central. O que não me incomodou nem um pouco. Domingão no Mercado Central é um programa muito agradável pra quem, como eu, gosta de passear pelas inúmeras bancas de frutas, flores, hortaliças e legumes. As lojas de peixes ornamentais, as de biscoitos, de doces e queijos. Aquelas lindíssimas de pimentas, a mistura de cores é bárbara. Os vidros tem formas diversas pra todos os gostos e tamanhos de família! Fora os barzinhos famosos pela cerveja gelada e fígado de boi acebolado com jiló na chapa.
Dani me deixou lá antes das dez da manhã. Tomei um bom café com pão de queijo quentinho e fui pra loja da Clarice, minha jovem cliente. Peças entregues, beijinhos de boas vendas e segui passeando pelo Mercado. Provei queijos de Araxá, do Serro, parei pra observar peixinhos, comprei meu cigarro de palha preferido, fui naquela parte de artesanatos ma-ra-vi-lho-sa que tem de tudo um pouco, experimentei um par das antigas alpargatas, aquelas de tecido e solado em corda, mas não levei. Combinava comigo há vinte anos atrás, quando usava batinhas indianas e jeans surrado. Me poupei de ver os bichos. Saio de lá meio chateada, aquelas carinhas lindas e choronas de cães e gatos que adoram um afago, pedindo pra sair daquelas gaiolas me incomodam. Antigamente, quando morava ali na rua rio de janeiro, ia ao Mercado só para vê-los, carinhando cada cabecinha peluda que se entregava aos meus dedos entre grades. Ô dó.
Fui a banca Santo Antônio, que tem muitos, muitos temperos e ervas especiais e são de lá as ervas que costuro nos meus livros. Valia uma foto, mas, fui sem câmera...Comprei alho em flocos e gengibre em pó. Que cheiro bom! Caminhando um pouco mais passei em frente ao Restaurante Casa cheia. Ali comi uma vez a carne de porco com ora-pro-nobis mais gostosa da minha vida! Foi no fechamento da disciplina com a Sabrina, os lugares da comida na literatura. Costuma dar filas de espera na hora do almoço e o cheiro bom de comida já estava pelos corredores. Por falar em almoço, já passava da hora de ir pra casa e preparar um almocinho de domingo e dali fui buscando a saída, me perco sempre dentro do mercado, dificilmente entro por uma porta e saio pela mesma, são tantas entradas que confundo tudo. Sem maiores problemas, aproveito a confusão e me divirto um pouco mais lá dentro. Parei na banca de abacaxi no palito e melancia gelada. Saboreei uma fatia e levei o abacaxi pro meu filho. Já do lado de fora, avistei um banner que dizia: Mercado Central 80 anos! Parabéns, Mercado Central, você é o nosso presente!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Festival de Quitandas em Congonhas MG

Já agendei e se tudo correr bem, em maio estarei em Congonhas para me deliciar com as receitas mineiras de quitandas. É o Festival de quitandas da cidade. Bolos, broas, doces em barra, em calda, biscoitinhos de vários sabores, enfim, uma gostosura pra gente apreciar, degustar e levar pra casa. Para maiores informações entre no blog www.quitandasdeminas.blogspot.com que a Rosaly tem notícias fresquinhas.

domingo, 5 de abril de 2009

Receita tradicional de Minas: Frango com quiabo

Esta receita minha avó Elisa fazia muitíssimo bem. E sempre. Preparava um angu, feijão batido e arroz branco. As vezes completava o menu com couve refogada ou almeirão.
Faz-se assim:

Ingredientes

1 frango inteiro já limpo e cortado nas juntas, temperados com limão e sal.
300 gramas de quiabo
1 cebola média.
Massa de sal e alho.
1 ramo de salsinha e 1 ramo de cebolinha picadinhos.
Óleo para dourar o frango

Em uma panela aquecer o óleo, a massa de sal com alho (uma colher) e juntar o frango, deixando fritar um pouco. Depois, retirar o excesso da gordura e pingar aos poucos, água, deixando o frango suar. Acrescentar o cheiro verde, as cebolas em rodelas, tampar a panela e deixar cozinhar bem. Lavar e secar os quiabos e picar em rodelas. Misturá-los ao frango. Não mexa. Tampe a panela e deixe ferver em fogo baixo por alguns minutos. Quando os quiabos estiverem macios, retire do fogo e sirva com angu, arroz branco e feijão batido.
Dica: Para o quiabo não babar basta picar um tomate e acrescentar à panela ou colocar uma colher de sopa de vinagre.

Pedacinhos do céu

Saímos ontem à noite com duas amigas para um lugar de uma música deliciosa: o Chorinho. A casa Pedacinhos do céu, fica no bairro Caiçara e nos recebeu muito bem. A turma de músicos liderada por Alzier no cavaquinho estava afinadíssima.
Uma cervejinha daqui, um tira gosto de lá... Pedimos uma cachaça pra acompanhar. Tinha a Boazinha, Seleta e a Pinissilina. É este o nome da marvada, é feita em Canta Galo, norte de Minas. Foi a eleita para esta noite.
Conversa vai, risadas vem e a fome também. Escolhemos uma porção de kibinhos pra começar e depois a porção de mandioca com linguiça de lombo. Muiito booa a linguiça, a mandioca estava um pouco seca, gostei muito não. Mas, cá pra nós que somos mineiros, tem coisa melhor que um bar, uma música ao vivo de boa qualidade, uma cervejinha gelada, uma cachacinha especial e uma porção de mandioca com linguiça?
ô trem bão, sô!!

sexta-feira, 3 de abril de 2009

o livro dos abraços

Recordar: do latim re-cordis, voltar a passar pelo coração.

Estive esta semana na livraria Quixote para fazer um pequeno acerto das vendas do meu livro e levar outros exemplares e, é claro, sempre dou umas folheadas em lançamentos e títulos, ou encadernações que me chamam atenção. Folheei Manoel de Barros para crianças mas prefiro o que tenho aqui: O fazedor de amanhecer. Ainda na seção infantil, peguei um do Léo Cunha muito bacana: Profissonhos. Muito lindo, poesia pura e divertida para os pequenos. Vi outro: o livro inclinado. Ele é mesmo inclinado, uma edição da Cosac Naify. Só podia ser, eles são muito bons em encadernações ousadas. Ao lado um display com livros de bolso, um título me chamou a atenção: O livro dos abraços, quando vi o autor: Eduardo Galeano, tomei logo um as mãos. Daí, o acerto das vendas já saiu menor. Comprei. Eduardo Galeano é escritor uruguaio e muito muito especial, traz em sua escrita muitas recordações. Gosta de ouvir histórias e com elas, sai escrevendo. Ele mostra que a história pode - e deve -ser contada a partir de pequenos momentos, aqueles que sacodem a alma da gente. Cá está uma pequena história do livro dos abraços pra aquecer nosso dia:

O mundo
Um homem da aldeia de Neguá, no litoral da Colômbia, conseguiu subir aos céus. Quando voltou, contou. Disse que tinha contemplado, lá do alto, a vida humana. e disse que somos um mar de fogueirinhas.
_ O mundo é isso _ revelou. _ Um montão de gente, um mar de fogueirinhas.
Cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Não existem duas fogueiras iguais. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras de todas as cores. Existe gente de fogo sereno, que nem percebe o vento, e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. Alguns fogos, fogos bobos, não alumiam nem queimam; mas outros incendeiam a vida com tamanha vontade que é impossível olhar para eles sem pestanejar, e quem chegar perto pega fogo.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

couve fininha e feijão na panela de barro

HUM, que delícia! Hoje fui pra cozinha, não costumo ter muito tempo pra cozinhar e daí que fico feliz quando posso. Sem pretensões gastronômicas, arrisco bem e costumo acertar, tive uma boa escola, quando menina observava vovó e mamãe na cozinha e na casa de minha avó em Viçosa nas férias. ô tempo bom!
Então, preparei um almocinho simples e muito gostoso. Arroz branco, salada de tomates e pepino japonês, bife acebolado, feijão em grãos feito na panela de barro e couve fininha. Não sou muito boa no corte fininho da couve. Tinha uma tia avó, tia Alda, que, segundo mamãe, cortava a couve muitíssimo fina.
Ah, descobri uma boa outro dia com um amigo que almoçou aqui em casa, ele conserva as folhas, tipo couve e alfaces dentro da água na geladeira. Gente, não sabia disso... adorei. Valeu a dica, Bernardo. Um beiju.