segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Indez

Ai, ai, adoro este livro! A história de Antônio, um mineirinho nascido no interior é delicada por demais. Traz as rezas, os costumes, a comida, fala dos quintais, das crenças, das festas, do amor. É majestosa a sensibilidade de Bartolomeu Campos Queirós. Vale a leitura.
Segue um trechinho pra gente apreciar:

Era silencioso o amor. Podia-se adivinha-lo no cuidado da mãe enxaguando as roupas nas águas de anil. Era silencioso, mas, via-se o amor entre os seus dedos cortando a couve, desfolhando repolhos, cristalizando figos, bordando flores de canela sobre o arroz doce nas tijelas.
Lia-se o amor no corpo forte do pai, no seu prazer pelo trabalho, em sua mansidão para com os longos domingos. Era silencioso, mas escutava-se o amor murmurando - noite adentro - no quarto do casal. A casa, sem forro, deixava vazar esse murmúrio com aroma de fumo e canela, que invadia lençóis e dúvidas, para depois filtrar-se por entre telhas.
Experimentava-se o amor quando, assentados no calor da cozinha - pai e mãe -falavam de distâncias, dos avós, das origens, dos namoros, dos casamentos.
E, quando o sono chegava, para cada menino em cada tempo, era o amor que carregava cada filho nos braços para a cama, ajeitando o cobertor por sob o queixo.


Esta postagem é dedicada aos meus maiores amores: Minha mãe, meu filho e meu marido.

Vocês são tudo em que mais acredito: na família e no amor.

4 comentários:

  1. Trechinho muitíssimo bem escolhido, Ju! Como uma bela cena de cinema!
    Bjoooooooo!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito diferente seu Blog...
    Adorei conhecer!
    Abços

    ResponderExcluir
  3. Junelise que bonito!
    Passei para dar um beijinho

    ResponderExcluir

Coloque seu tempero aqui: