terça-feira, 14 de julho de 2009

Ufa!

Ontem meu dia foi intenso. Acordei as sete e quinze da matina, liguei o computador pra imprimir um texto, conferi as peças e tintas que eu precisava levar pra oficina, tomei um café, dei um telefonema antes de sair e quando olhei pro relógio já eram oito e meia! Voa tempo, voa! Passei na casa do Gabriel, meu ajudante nas pinturas de base e lixação e seguimos para a labuta. A pintura ficou toda por conta dele, só preparei a lista e dei algumas orientações (coisa que faço sempre). Saí apressada para o centro da cidade. Fui a uma loja de materias de segurança comprar os óculos de proteção para o treinamento de brigadistas de combate a incêndio da Feira. Como estou a frente da associação, fiquei encarregada de algumas tarefas.
De lá segui a pé pela Rua dos Carijós. _ Para quem não conhece Belo Horizonte, as ruas do centro da cidade tem nomes de tribos indígenas; tupis, goitacazes, guarani, caetés, tamoios...e estados do Brasil: Mato Grosso, Bahia, Goiás, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo, Amazonas. A avenida principal que começa na praça da rodoviária e segue até a Praça do Papa, tem o nome de um ilustre, Afonso Pena e tem outros ilustres por ali; João Pinheiro, Augusto de Lima._ Continuando meu percurso, sigo até a lojinha de roupas para uma troca, vou ao banco do brasil, faço um pagamento em outro banco, subo a rua tamoios e vou a outra loja essa agora de ferragens. Passei pela Rua Guarani e aproveito para comprar acetato, um material que preciso para acabamento em algumas caixas. Volto à rua carijós, lembrei da agulha para meu som antigo( tenho LPs que gosto de ouvir...), entrei em pelo menos cinco casas e nada, na última, encontrei! Quinze reais! Uau, uma agulhinha minúscula... Ok, mais vale poder ouvir outros sons esquecidos nos bolachões.

E ainda estou só na metade do dia e das funções. Sigo até onde o carro ficou estacionado e rezo para encontrá-lo por lá(este ano, não consegui renovar o seguro e morro de medo). Lá está ele, lindo e quente! Apesar de estarmos no inverno, o sol está rachando mamona - já são onze e quarenta. O caminho agora é até o escritório de advocacia do meu condomínio(sou síndica!), como não havia vagas, parei no estacionamento de uma loja de embalagens. Aproveitei para ver uns preços e comprei sacolas plásticas. Expliquei à mocinha do caixa que não iria demorar no estacionamento, era só pegar um documento no prédio da frente. Pode ir, senhora, se não vai demorar! Acabei demorando quarenta minutos. Claro, pedi desculpas na volta, com aquele sorriso amarelo, de alguém que abusou da boa vontade do outro.

Enfim, hora de ir almoçar na casa de minha sogra _faço isso normalmente duas vezes por semana. Salada, frango grelhado, arroz branco, batata baroa. Dani colocou uma canção do Caetano. Dei dois telefonemas e fui entregar uma encomenda ali por perto. Da casa da cliente, buscar as apostilas do curso no xerox que fica no caminho, de lá, ao outro banco para um depósito, aproveitei para ir à flora e comprar uma suculenta. Vou fazer uma visitinha a casa de uma amiga, acho que ela irá gostar. Já estava em cima da hora marcada para a reunião na prefeitura. Meus colegas de feira e companheiros de associação já estavam a minha espera como combinado. Subimos ao quarto andar e lá ficamos aguardando a hora de sermos atendidos. No meio da conversa, recebi um telefonema. Novidades. E outro compromisso de ultima hora. Esse para amanhã de manhã. Mas, tem certeza que é amanhã de manhã? Já estou com tudo organizado para o treinamento. Vamos ter que desmarcar? Nem acreditava na trabalheira que iria dar, organizar tudo de novo, outro dia...ah, não, vamos ter quer encontrar uma solução! telefonemas daqui, dali, nada ainda. Terminada a conversa no quarto andar, fui buscar o carro pra carregar os extintores de incêndio. Ok, já são cinco e meia da tarde, hora de buscar Gabriel e as peças pintadas, levá-lo em casa e descarregar o carro no ateliê e colocar o botijão de gás no porta-malas. Meu filho colocou pra mim. Pesado...Comi algo rapidinho, dei outros telefonemas, conseguimos um amigo para me substituir e levar a turma e os materiais ao treinamento pela manhã. Beleza! Tudo certo. Já estava atrasada para o encontro na casa de minha amiga. Cheguei com uma hora de atraso! O momento relax do dia, duas horas de prosa e chás. Tomamos chá branco, chá de frutas vermelhas e chá de jasmim. Comemos bolo de cenoura com mel, pão integral com goiabada cascão e queijo. Uma delícia! Obrigado Cris, foi ótimo estar com você!
É, mas ainda não acabou. Estava a três minutos da casa da Zezé, nosso QG da associação, onde eu deveria deixar os extintores, o botijão de gás, os óculos e as apostilas. Aproveitamos para embalar as camisetas que oferecemos aos participantes, com direito a fitinha e tudo! Enfim, cheguei em casa as onze da noite. Parei uns minutos na frente do computador para encaminhar um e-mail, corri pro chuveiro, coloquei meu pijama quentinho, beijo de boa noite no filhão e cama.
Respirei fundo, agradeci a deus por mais este dia e apaguei!

Um comentário:

  1. Cacilda! Isso é que é uma mulher atarefada! Mas, depois lembra de me mandar o endereço da loja onde encontrou a agulha pros bolachões! Uma hora, vou precisar também!
    Bjooooooooo!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Coloque seu tempero aqui: