segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Como água para chocolate



Já escrevi sobre este livro/filme aqui. Escrevo novamente para divulgar uma proposta interessante de Cineclube aqui em Pelotas que estou participando com o Coisdivó - Artes e Afetos. Nome do ateliê em Minas que estou trazendo pro sul com as novas produções em torno da memória, da culinária e da literatura.

O Cineclube1968 é um grupo de coletivos de Pelotas que tem se reunido periodicamente para dar força ao movimento cineclubista na cidade, possuindo curadorias de diferentes atuações e espaços alternativos de exibições. Denominado “Cineclube 1968”, referindo-se a um ano marcante e revolucionário, o cineclube teve duas primeiras exibições em agosto e segue com a terceira exibição, no próximo dia 10 de setembro exibindo:

“Como água para chocolate”. A expressão quer dizer: água a pique de ferver ou alguém a pique de explodir. Este livro, dividido em doze capítulos, tem um subtítulo original que adoro: Romance em fascículos mensais com receitas, amores e remédios caseiros. A narradora nos conta uma trágica história de amor através da cozinha. Vai descrevendo o modo de preparo dos pratos e contando as histórias, envolvendo as personagens. É como um conto de fadas, cheio de tramas impossíveis e românticas, girando em torno da comida, seus cheiros e sabores.

A autora é Laura Esquivel, a obra virou best seller e o filme mexicano de mesmo nome foi sucesso nas telonas, sendo premiado no festival de Gramado em 1993. Este filme será o primeiro da Curadoria do Coisdivó no Cineclube1968. O Coisdivó irá propor dentro do Cineclube1968, a temática em torno da literatura e da gastronomia e a escolha desse filme não poderia ser mais apropriada, um filme baseado em um livro que traz receitas de cozinha.

Foi a partir do encontro com esse livro e dos capítulos iniciados por receitas tradicionais de família que preparei a minha edição do Memória Culinária; Coisa de Vó. Por isso, foi com muito carinho que escolhi e farei a exibição desse filme e logo após a exibição poderemos conversar degustando um gostoso chocolate quente.
Sintam-se convidados a comparecer neste sábado as 17:00 no Sindicato dos bancários que fica na Tiradentes 3087 entre Santa Tecla e Deodoro. A sessão do Cineclube1968 é gratuita. Garanta seu lugar chegando um pouquinho antes. O espaço comporta apenas trinta lugares. A exibição se dará as 17:00.




Segue uma citação que gosto muito e está no Memória Culinária: Coisa de Vó junto da receita de torta de cebola que minha mãe preparava na minha infância, uma homenagem à ela e à Tita, protagonista da obra, que chorava tanto ao cortar cebolas que as lágrimas viravam sal e temperava as comidas.

Gertrudis cerraba los ojos cada vez que daba um sorbo a la taza de chocolate que tenía frente a ella. La vida sería mucho más agradable si uno pudiera llevarse a donde quiera que fuera los sabores y los olores de la casa materna.

Um comentário:

  1. JU, que delícia de post. Quanta história. A mineirinha já conquistou Pelotas, heim? Sucessos!
    bjs, Saudades,

    ResponderExcluir

Coloque seu tempero aqui: